Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

CONSELHO DA ELETROBRAS CONTRATA EX-MINISTRA ELLEN GRACIE PARA COMISSÃO



Ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie vai compor uma comissão independente que supervisionará os trabalhos do escritório de advocacia Hogan Lovells, contratado para apurar denúncias de irregularidades na estatal; o diretor de Geração da holding Eletrobras, Valter Cardeal, e o diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte, uma subsidiária do grupo, Adhemar Palocci, pediram licenciamento de seus cargos enquanto durarem investigações internas sobre supostas irregularidades em projetos do setor elétrico.



Fonte: Jornal 247.

O Conselho de Administração da Eletrobras aprovou a contratação da ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie para compor uma comissão independente que supervisionará os trabalhos do escritório de advocacia Hogan Lovells, contratado para apurar denúncias de irregularidades na estatal.

Também foi contratado para atuar na qualidade de membro independente da comissão o ex-diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Durval Soledade, disse a empresa em comunicado na noite de sexta-feira.

O diretor de Geração da holding Eletrobras, Valter Cardeal, e o diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte, uma subsidiária do grupo, Adhemar Palocci, pediram na sexta-feira licenciamento de seus cargos enquanto durarem investigações internas sobre supostas irregularidades em projetos do setor elétrico.

Na terça-feira, o presidente licenciado da Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras, foi preso em uma nova fase da Operação Lava Jato, chamada de "Radioatividade" por investigar a formação de cartel na contratação das obras da usina nuclear de Angra 3.

DELAÇÃO DE LOBISTAS FORAM DECISIVAS PARA PRISÃO DO EX-MINISTRO JOSÉ DIRCEU, DIZ DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL



Os depoimentos dos lobistas Milton Pascowitch e Júlio Camargo foram essenciais para a convicção da necessidade de prisão do ex-ministro José Dirceu hoje (3), na 17ª fase da Operação Lava Jato, denominada Pixuleco. Em prisão domiciliar após condenação na Ação Penal 470, o processo do mensalão, Dirceu já vinha sendo investigado desde o início do ano no âmbito da Lava Jato.


Fonte: Agencia Brasil.

De acordo com o delegado da Polícia Federal, Marco Antonio Ancelmo, a força-tarefa da Lava Jato solicitou a prisão do ex-ministro somente após confirmar que Dirceu tem envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobras. “Estávamos aguardando elementos que permitissem a confirmação de hipóteses que tínhamos, que se confirmaram recentemente com o acordo de delação do [Milton] Pascowitch e Júlio [Camargo] e também situações que conseguimos confirmar, que até um tempo atrás não tínhamos certeza”, explicou.

Segundo o delegado, o nome dado à operação é uma referência ao termo usado por alguns dos investigados para se referir ao pagamento de propina. “Pixuleco é, basicamente, porque essa fase das investigações envolveu o pagamento de propinas, tando de pagadores como recebedores, de todas a natureza, desde a reforma de apartamento, construção de apartamento do Renato Duque [ex-diretor da Petrobras], pagamento por ordem de [João] Vaccari [ex-tesoureiro do PT] a terceiros, pagamento de obras de arte feitas por Renato Duque e Milton Pascowitch. Temos pagamento de toda a natureza e valores, desde R$ 50 mil, para o filho de Renato Duque, a contrato de R$ 10 milhões”, informou Ancelmo.

Em acordo de delação premiada, o lobista Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao Partido dos Trabalhadores. Já Júlio Camargo contou, também após assinar acordo de delação premiada com a Justiça, que repassou R$ 4 milhões a Dirceu.

Além de Dirceu, a Polícia Federal prendeu hoje o irmão do ex-ministro Luiz Eduardo, em Ribeirão Preto. Preso temporariamente, Luiz Eduardo é apontado pela PF como laranja do ex-ministro e responsável por receber recursos de empreiteiras com contratos com a Petrobras, mesmo depois de deflagrada a Operação Lava Jato.

A defesa de José Dirceu informou que vai se manifestar sobre o assunto, após ter acesso aos documentos que motivaram a prisão. A assessoria do PT disse que não vai comentar as acusações de Pascowitch.

ESQUEMA DE CORRUPÇÃO NA PETROBRAS FOI INICIADO PELO EX-MINISTRO JOSÉ DIRCEU AFIRMA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL



O ex-ministro José Dirceu, preso hoje (3), preventivamente, na 17ª fase da Operação Lava Jato é apontado, pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público Federal (MPF), como criador e beneficiário do esquema de corrução na Petrobras. Segundo os investigadores, Dirceu, na época em que era ministro da Casa Civil, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nomeou Renato Duque para Diretoria de Serviços da estatal, onde foi iniciado o esquema de superfaturamento de contratos da Petrobras.


Fonte: Agencia Brasil.

“É evidente que José Dirceu tem um papel importante na indicação de pessoas para a Petrobras. Creio que chegamos a um dos líderes principais, que instituiu o esquema Petrobras e que, durante o período como ministro, aceitou que o esquema existisse e se beneficiou do esquema também”, disse o procurador federal Carlos Fernando Lima.

Segundo ele, Dirceu recebia pagamentos do esquema desde a época em que foi ministro. “José Dirceu foi beneficiário. Queremos mostrar que ele e Fernando Moura [outro preso hoje] foram os agentes responsáveis pela instituição do esquema Petrobras desde o tempo do governo Lula. Desde aquela época [da Casa Civil], passando pelo mensalão, pela condenação [pelo Supremo Tribunal Federal], pelo período em que ele ficou na prisão. Sempre com pagamentos. Esses são os motivos com os quais estão baseadas a prisão”, explicou Fernando Lima.

Ao lado de Dirceu, Fernando Moura é apontado pela força-tarefa da Lava Jato como um dos principais “líderes” do esquema de corrupção. Foi ele quem levou o nome de Renato Duque a José Dirceu.

De acordo com Fernando Lima, a prisão de Dirceu foi decretada porque, apesar de cumprir prisão domiciliar – em decorrência da condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão –, ele continuava agindo e recebendo recursos. Além disso, acrescentou o procurador, o irmão de Dirceu, também preso hoje, esteve em várias empresas investigadas fazendo cobrança de pagamento. 

Segundo o delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula, a 17ª fase da Lava Jato tem como “essência” a corrupção. Ela abrange, além das empreiteiras já investigadas, empresas de prestação de serviços de limpeza e informática para a Petrobras.

O delegado federal Marco Antonio Ancelmo acrescentou que em todo o período de investigação da força-tarefa da Lava Jato, a empresa JD consultoria, de José Dirceu, não comprovou efetivamente a prestação de serviços, apesar da apresentação de notas fiscais emitidas como justificativa para pagamentos feitos por empreiteiras com contratos com a Petrobras.

“A empresa JD consultoria era, praticamente, uma central de pixulecos [termo usado pelos envolvidos no esquema em referência ao pagamento de propina]. Por todo tempo que essa investigação funcionou, não há uma comprovação que essa empresa tenha efetivamente prestado o serviço”, disse o delegado. “Mesmo com todo tempo e todas as notas que foram divulgadas acerca da JD, não ficou comprovado nenhum serviço prestado pela empresa”. A 17ª Fase da Operação Lava Jato é denominada Pixuleco, em alusão ao termo.

Preso em Brasília, José Dirceu foi levado para a Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal e depende de liberação do STF para que seja transferido para Curitiba, onde estão concentradas as ações da Lava Jato.

Perguntado se o ex-presidente Lula poderá vir a ser alvo das investigações, o procurador afirmou que nenhuma hipótese pode ser descartada. “Não se descarta nenhuma hipótese de investigação. Não vamos dizer que estamos investigando ninguém da gestão anterior, ninguém da atual gestão.”

A defesa de José Dirceu informou que irá se manifestar após ter acesso aos documentos que motivaram a prisão. Nas últimas semanas, Dirceu apresentou pedidos de habeas corpus preventivo para evitar uma prisão, mas os pedidos foram negados pela Justiça Federal. Na ocasião, o advogado Roberto Podval argumentou que a eventual prisão do ex-ministro não se justificava, pois ele está colaborando com as investigações desde o momento em que passou a ser investigado na Lava Jato, alegando que José Dirceu é alvo de uma “sanha persecutória”.

POLICIA FEDERAL PRENDE O EX-MINISTRO JOSÉ DIRCEU NA 17ª FASE DA OPERAÇÃO LAVA A JATO

                                     FOTO: DIDA SAMPAIO / ESTADÃO CONTEÚDO

O ex-ministro José Dirceu foi preso hoje (3) em Brasília, pela Polícia Federal, na 17ª fase da Operação Lava Jato. Ele está na sede da Polícia Federal.


Fonte: Agência Brasil.

A 17ª Fase da Operação Lava Jato é denominada Pixuleco, em alusão ao termo utilizado pelos acusados para denominar a propina recebida em contratos.

Cerca de 200 policiais federais cumprem 40 mandados judiciais, sendo 26 de busca e apreensão, três de prisão preventiva, cinco de prisão temporária e seis de condução coercitiva, em Brasília e nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Foram decretadas ainda, a partir de representação da autoridade policial que preside os inquéritos policiais, medidas de sequestro de imóveis e bloqueio de ativos financeiros.

A atual fase da operação se concentra no cumprimento de medidas cautelares em relação a pagadores e recebedores de vantagens indevidas. Entre os crimes investigados estão corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde permanecerão à disposição da 13ª Vara da Justiça Federal.

BRADESCO ANUNCIA A COMPRA DO HSBC NO BRASIL



O Bradesco comprou o Banco HSBC, conforme comunicado divulgado hoje (3) ao mercado financeiro. Com a aquisição, o Bradesco assumirá todas as operações do HSBC no Brasil, incluindo varejo, seguros e administração de ativos, bem como todas as agências e clientes.


Fonte: Agência Brasil.

Segundo o Bradesco, os clientes do HSBC continuarão a ser atendidos da forma habitual. O HSBC planeja manter uma pequena presença no Brasil para atender a clientes corporativos.

O HSBC tem 5 milhões de correntistas e está presente em 529 municípios brasileiros, com 851 agências, 464 postos de atendimento, 669 postos de atendimento eletrônico, 1.809 ambientes de autoatendimento e 4.728 caixas eletrônicos.

“A aquisição proporcionará vários benefícios para os clientes de ambas as instituições, como o aumento da cobertura e da rede de atendimento em todo o território nacional e o acesso aos produtos distribuídos pelas duas instituições”, disse o Bradesco, no comunicado.

A conclusão da operação de compra ainda depende dos órgãos reguladores. O preço da compra foi US$ 5,186 bilhões, equivalentes a aproximadamente R$ 17,6 bilhões. O patrimônio líquido do HSBC no Brasil é R$ 11,2 bilhões. Segundo o Bradesco, esse preço será ajustado pela variação patrimonial do HSBC a partir de 31 de dezembro de 2014 e será pago na data da conclusão da operação.

ATENÇÃO!! A GALERINHA VOLTARAM A COLORIR AS RUAS DAS NOSSAS CIDADES COM OS SEUS UNIFORMES ESCOLARES NA VOLTA AS AULAS



As crianças e jovens voltam as aulas nesta segunda-feira, 03 de Agasto. O Blog Álvaro Neves "O Eterno Aprendiz" faz questão de ressaltar , que na maioria das cidades brasileiras as ruas das cidades do nosso país, voltam ser colorir com as cores vivas que na atualidade já foge do branco e azul dos uniformes escolares de outrora. 

Exigindo do Poder Público Estadual e Municipal e dos motoristas em geral uma maior fiscalização e atenção no trânsitos nos centros urbanos. Principalmente nas avenidas, ruas e vielas próximos as escolas. 

Bom estudos galerinha!!!!!

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA DO RIO DE JANEIRO CONTESTA O RELATÓRIO DA ANISTIA INTERNACIONAL




O secretário de segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame contestou o relatório da Anistia Internacional, que foi divulgado hoje, segunda feira (03) em toda a imprensa falada, escrita e televisada do Estado. 

Através de um informativo enviando a grande imprensa do Estado do Rio de Janeiro o Secretário de Segurança, José Mariano Beltrame nele  chama de injusto o relatório que está sendo divulgado em uma fase em que o Estado do Rio de Janeiro comemora uma queda significativa nas ações criminosa no Estado.

O secretário estadual de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, classificou de "temerária e injusta" a divulgação do relatório da Anistia Internacional “Você matou meu filho! – Homicídios cometidos pela polícia militar no Rio de Janeiro”. Para o secretário, a capa do estudo já cria "um estigma antecipado do policial".

"Sabemos que no Rio ainda há áreas com guerra, como mostra esse estudo de casos. Mas é inegável a melhora nos índices de criminalidade de 2007 para cá”, disse Beltrame.

O secretário lembrou que o governo estadual obteve a redução de uso de fuzis e de munição, criou o Centro de Formação do Uso Progressivo da Força e a Divisão de Homicídios. “A maioria das recomendações feitas nesse estudo de casos já é adotada em nosso Estado. Infelizmente, todo esse avanço não é reconhecido nesse estudo", acrescentou.

Beltrame afirmou ainda que a diminuição da letalidade é o principal fator para que um policial seja premiado pelo Sistema Integrado de Metas, e que as Unidades de Polícia Pacificadora reduziram em 85% o número de mortes decorrentes de intervenção policial nas comunidades em que foram instaladas.

MPRJ

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) também criticou o relatório da Anistia Internacional (AI), considerando as acusações como "vazias e genéricas". O MPRJ afirmou realizar um "trabalho hercúleo e, muitas vezes, solitário para responsabilizar agentes públicos".

"O Ministério Público não teve acesso ao estudo que vem sendo mencionado pela imprensa. Contudo, a instituição acredita que as acusações, vazias e genéricas, em nada colaboram para a solução do problema", diz nota da instituição.

E acrescentou: "O MPRJ, ao oferecer denúncia ao Judiciário e colocar quem quer que seja na posição de réu, só deve fazê-lo de forma responsável, sob pena não só de desrespeito às garantias individuais, mas também de desprestígio à imprescindível função pública dos policiais".

Segundo o MPRJ, foram denunciados 813 policiais militares em 444 ações penais propostas à Justiça entre junho de 2013 e junho de 2015. Ainda de acordo com o órgão, só o Grupamento de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ deu início a 247 ações criminais envolvendo policiais, sendo 129 da Polícia Civil e 458 da PM.

Investigação defeituosa

"Todo esse trabalho é realizado a despeito da fragilidade do trabalho policial", diz a nota. Acrescentou que o trabalho policial é, muitas vezes, ruim. “Assim, a investigação defeituosa resulta, por vezes, em impunidade, seja pelo arquivamento do inquérito por falta de indícios ou no oferecimento de uma denúncia frágil, que pode ser rejeitada pelo Judiciário ou mesmo resultar, ao final de longo e custoso processo penal, em uma sentença absolutória", diz a nota.

De acordo com MPRJ “a situação é ainda mais grave quando se trata de criminosos que ostentam a qualidade de policiais, agentes públicos que cometem os mesmos crimes que juraram combater".

O relatório divulgado hoje pela Anistia Internacional afirma que a Polícia Militar tem usado a força de forma desnecessária, excessiva e arbitrária, desrespeitando normas e protocolos internacionais sobre o uso da força e armas de fogo. “Isso resulta – acrescenta - em diversas violações dos direitos humanos e em um número elevado de vítimas fatais, que são em sua maioria homens jovens e negros".

As críticas não se resumem à Polícia Militar, também se estendem à Justiça Criminal: "Essas práticas parecem estar amparadas nas diversas instituições do sistema de Justiça Criminal – especialmente no Ministério Público –, que têm sido omissas na investigação efetiva dos casos de homicídio decorrente de intervenção policial".

Em entrevista à Agência Brasil, o diretor-executivo da AI no Brasil, Átila Roque, também ressaltou a necessidade de responsabilização de culpados pelas mortes: "É quase uma autorização, uma carta branca para matar. Essa situação é grave, e uma das demandas principais que a gente faz é que o Ministério Público estabeleça imediatamente uma força-tarefa para esclarecer estas situações", disse.

O diretor pondera que a questão não se resume à polícia: "Temos todas as demais instâncias do Estado, que de uma forma ou de outra, ou estão sendo incompetentes ou ineficientes, ou pior, estão sendo omissas ao não exercerem o seu papel”, disse. E acrescentou: “Que a questão seja tratada com a gravidade que tem, porque é ela que distingue o estado de direito da barbárie".


No relatório, a AI recomenda ao Ministério Público que forme uma força-tarefa que dê prioridade aos homicídios decorrentes de intervenção policial e cobra que seja cumprida a missão constitucional de exercer o controle externo da atividade policial.

Essa postagem foi reeditada às 11h25 para acréscimo de informações.

ANISTIA INTERNACIONAL APONTA VIOLÊNCIA POLICIAL NO RIO DE JANEIRO


O Brasil tem vivido "uma crise aguda na segurança pública" nos últimos 30 anos, com o registro, em 2012, de 56 mil assassinatos, que correspondem a 29 homicídios por 100 mil habitantes. Do total de vítimas, 30 mil eram jovens de 15 a 29 anos, sendo 90% homens e 77% negros. A atuação da polícia, de grupos de extermínios e de milícias contribuem para esse cenário, como aponta o relatório Você Matou Meu Filho! – Homicídios Cometidos pela Polícia Militar no Rio de Janeiro, divulgado, hoje (3), pela Anistia Internacional. O lançamento oficial ocorrerá às 10h.

De acordo com o estudo, a imagem negativa associada à juventude, em especial entre os jovens negros que vivem em favelas, leva para "a banalização e a naturalização da violência". O documento aponta que as políticas de segurança pública no Brasil são marcadas por operações policiais repressivas em áreas pobres e, com frequência, com o uso de força letal, como em casos de pessoas suspeitas de envolvimento com grupos criminosos. "É uma prática recorrente, nestes casos, o desmonte da cena. Raramente tem perícia feita no momento em que as mortes ocorrem. O que temos com mais frequência é que rapidamente a polícia isola a área, retira o corpo e pronto", disse o diretor-executivo da Anistia Internacional Brasil, Átila Roque, em entrevista à Agência Brasil.


Fonte: Agência Brasil.


Foram analisados dados do Datasus do Ministério da Saúde e do Mapa da Violência. A Anistia Internacional fez a pesquisa entre agosto de 2014 e junho de 2015. A organização apurou o andamento de 220 investigações de homicídios ocorridos durante intervenção policial em 2011 na cidade do Rio e constatou que foi apresentada apenas uma denúncia e, até abril deste ano, 183 investigações continuavam em aberto.Conforme a entidade, o Rio de Janeiro apareceu por muito tempo como o estado com a maior taxa de homicídios. Entre 2002 e 2012, o indicador diminuiu de 56,5 homicídios por 100 mil habitantes para 28,3, enquanto que, na capital, a taxa passou de 62,8 para 21,5.

A análise incluiu também dados estatísticos oficiais, entrevistas com testemunhas, famílias de vítimas e servidores públicos, incluindo policiais civis e militares. O trabalho avaliou ainda registros de ocorrência, atestados de óbito, laudos periciais, inquéritos policiais, fotos e vídeos.

"O auto de resistência, em particular, segue como uma espécie de cortina de fumaça para que o policial acabe exercendo a execução extrajudicial. Os dados coletados mostram que, em Acari, praticamente todas as mortes classificadas como auto de resistência têm fortes elementos que apontam para execução", diz o relatório.

O diretor disse que é preciso chamar a atenção para impunidade e ausência de investigação. "Isso é quase uma autorização, uma carta branca para matar. Essa situação é grave, e uma das demandas principais que a gente faz é que o Ministério Público estabeleça imediatamente uma força-tarefa para esclarecer estas situações", disse o diretor.

O relatório destaca a Chacina de Acari, ocorrida em julho de 1990, quando 11 jovens, sendo 7 menores de idade, foram retirados de um sítio localizado em Suruí, bairro do município de Magé. A suspeita é de envolvimento de policiais nos desaparecimentos. O documento lembra o caso do bailarino Douglas Rafael Pereira da Silva, o DG, de 26 anos, morto em abril do ano passado, na comunidade do Pavão-Pavãozinho, na zona sul do Rio. O dançarino foi encontrado morto com um tiro e vários ferimentos no dia seguinte a um tiroteio entre policiais da Unidade de Polícia Pacificadora e criminosos.

"Sentimento de perda total. Qual outro sentimento uma mãe pode ter com a perda de um filho? Sentimento de indignação e de muita raiva também pela morosidade e muita mentira em torno do processo", disse Maria de Fátima, mãe de DG, à Agência Brasil. "Eu vou acreditar que a justiça vai ser feita. Uma pessoa não pode tomar um tiro pelas costas e sair como culpado da própria morte. Não acredito que a Justiça vai ser cruel a esse ponto", acrescentou.

Outra questão indicada no relatório é o medo das testemunhas em dar informações. Para Átila Roque, isso é consequência da falta de segurança para quem vai testemunhar. "Existe muito medo nessas comunidades de se mostrar e testemunhar, contar à policia e depois ser uma outra vítima. É uma cultura que está presente não apenas no Rio de Janeiro, em que o Estado não garante condições para que as pessoas que testemunham violência e violação de direitos cometidos por agentes do Estado, se apresente para testemunhar".

O diretor, no entanto, reconheceu que o Rio de Janeiro deu passos importantes na última década para a redução no número de homicídios e nos autos de resistência. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio de Janeiro, em 2005, eram 1.098 autos de resistência. Em 2007, tiveram a maior alta e chegaram a 1.330. Até 2013 caíram, alcançando o total de 416, mas no ano seguinte subiram para 580. "É preciso reconhecer o avanço, mas se observa que a cultura da guerra continua muito arraigada", disse.

Nas conclusões, o relatório faz recomendações aos governos federal e estadual, ao Ministério Público e ao Congresso Nacional para enfrentar o enfrentamento da violência policial e a impunidade. “Não devemos reduzir esta questão apenas à polícia. Temos todas as demais instâncias do Estado, que de uma forma ou de outra, ou estão sendo incompetentes ou ineficientes, ou pior, estão sendo omissas ao não exercerem o seu papel. Que a questão seja tratada com a gravidade que tem, porque é ela que distingue o estado de direito da barbárie", avalia o diretor. "Uma mensagem importante que está presente neste relatório é que o combate ao crime não é e não pode ser incompatível com a garantia do direito fundamental à vida", afirmou.


POLÊMICA A VISTA: PROJETO DO DEPUTADO CONCEDE ISENÇÃO DE IMPOSTO PARA MATERIAL USADO NA CONSTRUÇÃO DE TEMPLO RELIGIOSOS



Projeto isenta de impostos materiais usados de templos religiosos. A proposta desonera os templos de IPI e Imposto de Importação. Segundo ele, decisões judiciais têm concedido o benefício para as religiões.

Fonte: Portal de Notícias da Câmara dos Deputados.

DEP FAUSTO PINATO: A isenção vai contribuir para a expansão do turismo religioso no Brasil.

A Câmara dos Deputados analisa projeto do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) que concede isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto sobre Importação (II) aos materiais de construção, obras de arte e objetos decorativos utilizadas em obras de templos religiosos (PL 181/15).

Caberá ao Executivo calcular o montante de renúncia fiscal representado pela desoneração, incluindo o valor na primeira proposta orçamentária apresentada após a publicação da lei decorrente do projeto. O texto diz ainda que a isenção entrará em vigor no ano seguinte à inclusão do impacto financeiro na proposta orçamentária.

O deputado Fausto Pinato argumenta que a Constituição proíbe a criação de tributos que incidam sobre templos de qualquer culto. Esta é uma das hipóteses de “imunidade tributária” do texto constitucional. Logo, segundo ele, não deveria haver imposto sobre materiais usados na construção e decoração dos templos.

Pinato disse que já existem decisões judiciais neste sentido. O projeto resolve de vez a questão.

Turismo:

Ele argumenta ainda que a isenção vai contribuir para a expansão do turismo religioso no Brasil. Segundo levantamento de 2011 do Ministério do Turismo, o Brasil tem 96 destinos religiosos distribuídos por 344 cidades.

O deputado cita como exemplos as cidades de Aparecida (SP), onde fica a Basílica de Nossa Senhora Aparecida; São Paulo, onde foi inaugurado recentemente o Templo de Salomão, da Igreja Universal do Reino de Deus; e de Recife, que abriga a sinagoga Kahal Zur Israel, a primeira fundada nas Américas (século 17).

“Fomentar o turismo religioso em nosso País é mais do que uma atividade de lazer, é contribuir, também, para o resgate de parte da história religiosa do mundo, contadas em cada azulejo, cada pedra, cada objeto, sem contar o aspecto econômico da geração de milhares de empregos”, afirma Pinato.

Tramitação:

O projeto tramita em caráter conclusivo nas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

A COMISSÃO QUE IRÁ ANALISAR A PARTICIPAÇÃO DA PETROBRAS NO PRÉ-SAL SERÁ INSTALADA NA TERÇA-FEIRA (04)




A comissão especial que analisará o projeto que trata da participação obrigatória da Petrobras no modelo de partilha de produção de petróleo na exploração da camada pré-sal será instalada na próxima terça-feira (4), às 11h. O PLS 131/2015 é de autoria do senador José Serra (PSDB-SP).


Fonte: Portal de Notícias do Senado Federal.


A comissão será presidida pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). A relatoria e a vice-presidência serão decididas na reunião de instalação, que estava marcada, originalmente, para o dia 15 de julho. Os membros do colegiado, entretanto, preferiram iniciar oficialmente os trabalhos apenas depois do recesso parlamentar.

A criação de uma comissão para tratar do assunto havia sido requerida pelo senador Walter Pinheiro (PT-BA) em 30 de junho, mesmo dia em que o assunto foi debatido por sete horas em sessão temática realizada no Plenário do Senado. Na ocasião, foram expostas divergências de opiniões entre senadores, especialistas e autoridades.

A criação da comissão também foi defendida pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) no início de julho, após intensa discussão em Plenário sobre requerimento, apoiado por 46 senadores, que retirava o caráter de urgência da tramitação do projeto.

A comissão especial, com 27 integrantes, funcionará por 45 dias. Uma das vagas, pertencente ao Bloco de Apoio ao Governo (PT, PDT e PP), ainda não foi preenchida.

O projeto de Serra acaba com a obrigatoriedade de a Petrobras atuar com participação mínima de 30% nas operações dos campos do pré-sal. Pela lei atual, a empresa também precisa ser responsável pela condução e execução, direta ou indireta, de todas as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento e produção.

Serra esclareceu que o projeto apenas retira a obrigatoriedade de a Petrobras estar presente como operadora única e financiar 30% de cada poço do pré-sal. O senador observou que o relator do projeto, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), introduziu dispositivo segundo o qual a Petrobras terá preferência em cada licitação.

VAMOS ACOMPANHAR AGENDA DA NOSSA PRESIDENTE DESTA SEGUNDA-FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015?




Fonte: Blog Parlamento.

Agenda de Presidenta Dilma Rousseff para 03/08/2015.


Segunda, 03 de Agosto de 2015
09h: Reunião de coordenação política.

Local: Palácio do Planalto.


19h30: Reunião com lideranças parlamentares e partidárias.

Local: Palácio da Alvorada.

Esse blog está ficando mitidinho que só!!! kkkkkkkkkkkkkkk

VAMOS REFLETIR: ENTREVISTA DO PRESIDENTE DA NOVA CENTRAL SINDICAL DO RIO DE JANEIRO SEBASTIÃO J DA SILVA E DO DIRETOR EDMUNDO QUINTANILHA, TENDO COMO PAUTA TERCEIRIZAÇÃO E OUTROS TEMAS CONTUNDENTES



O Blog Álvaro Neves "O Eterno Aprendiz" traz para reflexão dos amigos internautas, principalmente dos componentes das classes trabalhadora e lideranças sindicais. Vídeo com o debate realizado pelo jornalista e apresentador de televisão Moyses Corrêa  do programa "Núcleo Sindical", que foi apresentado na (TVC-Rio) Televisão Comunitária do Rio de Janeiro. Na última quarta-feira, 22 de julho de 2015. 

Vídeo esse contendo a entrevista do presidente da Nova Central do Rio de Janeiro e vice-presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores do Estado do Rio de Janeiro Senhor Sebastião José da Silva e o diretor da Nova Central do Rio de Janeiro Edmundo Quintanilha. Tendo como pautas: "Terceirização; redução dos salários e jornada de trabalho para combater a crise financeira e outro temas contundentes de interesse da classe trabalhadora e sindical do nosso país". 

Por questão de respeito e merecimento faço questão de ressaltar que esse trabalha só foi possível de ser realizado, devido a colaboração do amigo, irmão e sindicalista Fernando Batalha. 


Vejam o vídeo:  




domingo, 2 de agosto de 2015

FOTOS - "CHEGOU O CARNAVAL!!!" COM ESSE GRITO CENTENAS DE AMIGOS CURTIRAM A FEIJOADA DO BLOCO CARNAVALESCO BOI DA BARRA



Texto: Álvaro Neves/fotos apoderadas sem autorização do Facebook do Facury Heluy (Secretário de Cultura de Cabo Frio), mais ele é meu amigo e ama a cultura não vai ficar bravo com esse aprendiz.

Chegou o carnaval! com esse grito centenas de amantes e amigos do cultura do samba e do carnaval cabofriense, que não cruza a braço e não espera cai do céu para fazer os seus eventos. Curtiram em um ambiente de alegria e harmonia  na tarde deste domingo a tradicional "Feijoada do Bloco Boi da Barra". 

Um evento que é realizado pelo amigo e agente cultural Edu da barra e um grupo de amigos que faz e não espera acontecer. São os verdeiros  amantes da cultura do bom carnaval da cidade de Cabo Frio.

Eta povo arretado, valeu galera!!!!!!


 

 

 
  




DESCONTENTE COM O SINDICALISMO ATUAL, CERCA DE 300 ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL SE UNEM E CRIAM UMA NOVA CENTRAL SINDICAL.



Uma nova central sindical deve ser criada no próximo dia 10, para defender exclusivamente os interesses dos servidores públicos; cerca de 300 entidades de funcionários públicos federais, estaduais e municipais devem se associar à Pública, a 13ª central sindical do país; nova entidade será comandada por Nilton da Paixão Júnior, que atualmente preside o Sindilegis, sindicato de servidores do Legislativo federal e do Tribunal de Contas da União; "Há um descontentamento do servidor público com o sindicalismo atual, que tem foco no setor privado e está partidarizado", afirma.


Fonte: Jornal 247 

Uma nova central sindical deve ser criada no próximo dia 10, para defender exclusivamente os interesses dos servidores públicos. Cerca de 300 entidades de funcionários públicos federais, estaduais e municipais devem se associar à Pública, a 13ª central sindical do país.

A nova entidade será comandada por Nilton da Paixão Júnior, que atualmente preside o Sindilegis, sindicato de servidores do Legislativo federal e do Tribunal de Contas da União. "Há um descontentamento do servidor público com o sindicalismo atual, que tem foco no setor privado e está partidarizado", diz Paixão Júnior.

Entidades que reúnem funcionários de Câmaras Municipais, prefeituras, Assembleias Legislativas estaduais, Tribunais de Contas, do Legislativo e do Judiciário estimam que, em dois anos, cerca de 30% dos sindicatos ligados a CUT, Força, UGT (União Geral dos Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e Conlutas migrem para a Pública.

Entre as pautas de defesa da Pública está a probição da terceirização nas atividades essenciais do funcionalismo público, valorização da carreira do servidor, investimento na qualificação desses profissionais, redução de cargos comissionados e indicações políticas e criação de aferição para produtividade no setor.

A nova central também quer a implementação de uma data-base para a categoria, instituir em lei a negociação coletiva e garantir outras condições de trabalho previstas na convenção 151 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) para a função pública.

COMEÇA NESTE SÁBADO (01) A SEMANA DO ALEITAMENTO TENDO COMO TEMA: "MULHERES QUE TRABALHAM FORA DE CASA"



Começa hoje (1º) a Semana Mundial do Aleitamento Materno, que vai até o dia 7 e tem como tema este ano mulheres que trabalham e amamentam. A iniciativa busca sensibilizar empresas sobre a importância da amamentação, pois a mulher que amamenta falta menos ao trabalho uma vez que seu filho adoece menos. Além disso, o bebê continua recebendo o leite materno, que possui anticorpos que previnem doenças.


Fonte: Agência Brasil.

Além desses benefícios, o aleitamento reduz os índices de obesidade infantil, de infecções digestivas e respiratórias e de alergias alimentares. Estudos mostram que o leite materno é capaz de reduzir em 13% as mortes por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos. A amamentação também ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia. As chances de se adquirir diabetes ou desenvolver câncer de mama e de ovário também diminuem significativamente para mulheres que amamentam.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que o aleitamento materno comece já na sala de parto e que seja exclusivo e em livre demanda (o bebê mama a quantidade que quer, quando quer)  até o 6º mês e se estenda até 2 anos ou mais. Segundo o pediatra Moises Chencinski, idealizador do movimento Eu Apoio Leite Materno e membro do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo, a estimativa brasileira de aleitamento materno exclusivo (quando o bebê é alimentado apenas com o leite da mãe) é de apenas 52 dias.

Volta ao trabalho:

Pesquisa do Ministério da Saúde mostrou que 34% das mães de bebês com menos de um ano e que trabalham fora de casa não amamentam mais a criança. Já entre as mães que não trabalham fora, esse índice é menor, 19%.

De acordo com a legislação brasileira, a licença maternidade pode durar até seis meses mas, para a maioria das trabalhadores, é de quatro meses apenas. Muitas mulheres, ao voltarem ao trabalho, não conseguem continuar amamentando e acabam desistindo. A nutricionista Patrícia Queiroz explica que, com o desmame precoce, normalmente outro leite é introduzido. “É um leite que não tem os anticorpos, a vacina – como a gente chama, que vem do leite humano, que é uma substância viva”.

Ao retornar ao trabalho, para que a amamentação seja mantida pelo menos até o 6º mês de vida do bebê, a legislação (Artigo 396 da CLT) prevê ainda períodos de pausa no trabalho para que a mulher amamente ou retire leite para seu filho. São duas pausas, de meia hora cada uma, que não se confundem com os intervalos normais de repouso e alimentação. A mulher pode, inclusive, combinar com a chefia para chegar meia hora depois e sair meia hora antes do horário de trabalho ou ainda acumular os períodos e tirar uma hora por dia.

Para estimular a continuidade da amamentação ao voltar ao trabalho, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançaram em 2010 uma nota técnica com orientações para as empresas instalarem salas de apoio à amamentação. As salas são espaços dentro da empresa onde a mulher pode, com conforto, privacidade e segurança, esvaziar as mamas, armazenando seu leite em frascos previamente esterilizados para, em outro momento, oferecê-lo ao seu filho. Esse leite é mantido em um freezer a uma temperatura controlada até o fim do dia. Cada recipiente é etiquetado e identificando o nome da mãe, a data e a hora da coleta. No fim do expediente, a mulher pode levar seu leite para casa para que seja oferecido ao filho ou pode ainda doá-lo a um Banco de Leite Humano.

Exemplos:

O Grupo Boticário é uma das 120 empresas brasileiras reconhecidas pelo Programa Mulheres Trabalhadoras que Amamentam do Ministério da Saúde. Criado em 2011, exige que as empresas participantes atendam a três requisitos: licença maternidade de seis meses, creche no local de trabalho ou auxílio-creche e a instalação de sala de apoio à amamentação. Este espaço é de uso exclusivo das mulheres que retornam da licença maternidade.

“É um ambiente confortável, privativo e higienizado. Através de todas essas iniciativas nós conseguimos garantir o aleitamento materno pelo prazo recomendado pelo período de dois anos – que é recomendação do Ministério da Saúde. As mães também se tornam mais seguras em relação aos seus filhos porque elas podem coletar o leite de maneira tranquila, armazenar e levar para casa”, explica Luiz Antonio Setti Barbosa, médico e coordenador de Medicina e Qualidade de Vida do Grupo Boticário.

Dados divulgados pela Receita Federal, em 2012, indicavam que menos de 10% das empresas brasileiras haviam aderido ao programa Empresa Cidadã, que assegura a ampliação da licença-maternidade para 6 meses. Ou seja, grande parte das trabalhadoras brasileiras não pode permanecer com seus filhos durante o período de amamentação exclusiva. As empresas que aderirem ao Programa podem abater do imposto de renda o total da remuneração integral paga à funcionária no período adicional.

Mamaços:

Como parte das comemorações da Semana Mundial de Aleitamento Materno, mamaços estão sendo organizados em diversas cidades do mundo. Os mamaços são manifestações para sensibilizar a sociedade sobre a importância do aleitamento materno natural. Estes eventos reúnem mulheres que estão amamentado em um mesmo local e horário para que amamentem pública e conjuntamente seus filhos. Eles surgiram a partir do incômodo de mulheres que se sentiam constrangidas ao amamentarem seus filhos em locais públicos.

Além dos mamaços, outra iniciativa também tem ganhado força são as brelfies. O termo mistura as palavras breast (mama, em inglês) e selfie e são, portanto, fotos feitas por mulheres que estão amamentando e que têm o objetivo de mostrar que o aleitamento é algo normal e natural.

O pediatra Moises Chencinski comenta que, em São Paulo, já há uma lei que multa estabelecimentos que constranjam mães que quiserem amamentar em público. “Culturalmente seios são associados a questões pornográficas e eróticas. Não consigo imaginar em que momento uma mãe amamentando seu filho pode provocar uma reação contrária, que não seja uma reação de apoio, amor e carinho”, ressalta. O médico conta que, no início do movimento das brelfies, as fotos eram retiradas das redes sociais.

Raquel Godoi:

Raquel Godoi amamenta seu filho João, hoje com 11 meses Imagem Arquivo Pessoal/Raquel Godoi
A jornalista Raquel Godoi, hoje militante da causa, conta que teve muitas dificuldades para amamentar seu filho João, hoje com onze meses. “Há uma série de fatores sociais e familiares que, mesmo involuntariamente, desencorajam a mulher a amamentar seus filhos onde, quando e até o quanto quiser. Amamentar é um privilégio, mas nem sempre é fácil desfrutá-lo. Muitas mães sofrem inúmeras dificuldades e elas precisam ser acolhidas, respeitadas, orientadas e socorridas”, afirma.

“Quando o João estava com sete dias de vida eu tive um ferimento profundo [no seio], provocado pela pega errada (a maneira como a boca do bebê se encaixa na mama da mãe). Mesmo antes disso as dores eram desesperadoras. Eu amamentava chorando”. O drama de Raquel só chegou ao fim quando ela procurou orientação do Banco de Leite Humano do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB).

Lá, ela recebeu tratamento, aprendeu a fazer massagens e ordenhar para evitar mastite (inflamação das mamas). Aprendeu também a corrigir a pega e a colocar o bebê para mamar em diferentes posições. “A luta foi imensa! Valeu a pena acreditar e procurar ajuda profissional. Superamos e hoje vivemos a alegria de um vínculo fortalecido”, comemora.

sábado, 1 de agosto de 2015

PREFEITO ALAIR CORRÊA INAUGURA A SEDE DA UNIDADE DE PROTEÇÃO E CONSERVAÇÃO DO PARQUE DO MICO LEÃO DOURADO



Na manhã deste sábado o prefeito Alair Corrêa realizou um velho sonho seu, dos ambientalistas e dos amantes da natureza da Região dos Lagos. Ao inaugurar a Sede onde está instalada a "Unidade de Proteção e Conservação do Parque do Mico Leão Dourado". 

Na manhã deste sábado (01), o prefeito Alair Corrêa em companhia de diversos secretário, gestores, colaboradores munícipes amantes da natureza inaugurou a sede onde foi instalado a Unidade de Proteção e Conservação do Parque do Mico Leão Dourado. 

Durante o seu discurso o prefeito Alair Corrêa fez uma alusão aos nossos bons projetos e sonhos que criamos e efetivamos. 

Em seguida ressaltou que o importante é lembrar o seguinte: 

"- Se ao criar nossos sonhos, não haver tempo para realizar. 

- Não desista e na primeira oportunidade o realize."

Em seguida completou:  

"- Digo isso porque no meu primeiro governo os que criei, foi em grande parte inviabilizado, porque o governo que me substituiu não tomou conta. Como voltei ao governo, retomei aos meus sonhos e as minhas ações, fiscalizando, protegendo  e hoje consumei o meu sonho".

Definitivamente o Parque do Mico Leão Dourado está protegido e será preservado.

"SAMBA DO BEM", UM EVENTO PARA QUEM É DO BEM! MUITO SAMBA, AMIZADE E SOLIDARIEDADE!!!




Texto e foto: Assessoria de Imprensa do Grupo Armasamba.

COMO BEM DISSE O CANTOR, COMPOSITOR E POETA, MARTINHO DA VILA: ‘’O SAMBA É DO BEM “

Essa frase serviu de inspiração para o líder do grupo Armasamba. Warner e todos os componentes criarem o projeto "Samba do Bem, concebido para unir".

Samba e solidariedade, de 15 em 15 dias o grupo Armasamba faz um show na quadra da Escola de Samba Vermelho e Branco, destinando 50% da bilheteria para uma instituição filantrópica. Deste 2010, o grupo Armasamba vem fazendo esse trabalho.

Segundo a assessoria de imprensa do grupo esse projeto tem alguns amigos e colaboradores entre eles a Pley Produção do nosso amigo Mapinha Junior,  Ebenézer Art do Leonardo Almeida, Leandro Gráfica Ajato.

No último realizado no dia 26 de julho o Grupo Armasamba dou um cheque no valor 1.000,00 (Mil Reais), a instituição Lar da Cidinha. Segundo a diretora da instituição afirmou: A doação chegou em boa hora, vamos comprar muitas fraudas geriátricas para os nossos idosos. 

A próxima edição do "Samba do Bem" já tem data definida será no próximo dia 09 de Agosto, domingo com inicio previsto para às 17hs, na quadra da Escola de Samba Vermelho e Branco, Cabo Frio. 

- SAMBA DO BEM! 
- QUEM É DO BEM VAI CURTIR. 

A PRESIDENTE DILMA DIZ QUE PROJETO "MUNHA CASA MINHA VIDA DEVE DOBRAR DE TAMANHO E ATINGIR QUASE 7 MILHÕES DE MORADIA ATÉ 2018




Os investimentos do governo no Minha Casa, Minha Vida (MCMV) serão preservados e mantidos até 2018, afirmou a presidenta Dilma Rousseff nesta sexta-feira (31), em Maricá (RJ), ao inaugurar 2.932 unidades habitacionais dos residenciais Carlos Marighella e Carlos Alberto Soares de Freitas, construídas por meio do programa. Ela disse que a meta é chegar a quase 7 milhões de moradias até 2018, o que significaria dobrar o tamanho do programa.


Fonte: Blog Palácio do Planalto.


 “O Minha Casa, Minha Vida vai continuar, e vamos, sim, contratar a construção de mais três milhões de unidades. O Mais Médicos vai continuar e o governo federal manterá sua parceria com os municípios, pagando o salário dos médicos, para que vocês possam ser cada vez mais bem atendidos nos postos de saúde. Aliás, para Maricá vieram 14 médicos que, tenho certeza, estão ajudando a melhorar a qualidade da atenção à saúde no município”, disse na oportunidade.

A presidenta afirmou que o governo está comprometido com o Minha Casa, Minha Vida por vários motivos, inclusive porque ele faz girar a roda da economia. E que, hoje, o Brasil está fazendo um grande esforço para voltar a crescer, o que torna o Minha Casa, Minha Vida ainda mais importante.

“Ficam falando assim: ´estamos passando por dificuldades econômicas, o programa vai acabar’. Não vai, não. Primeiro, porque é importante para aquela parte do povo brasileiro que não tinha oportunidades e para quem ninguém olhou. Mas aqui, além de a gente construir casa, cria emprego. Houve trabalhadores e trabalhadoras que construíram essas casas junto com os empresários”.

Ela lembrou que a construção das casas movimenta vários setores da economia, como fabricantes de tijolos, cimento e alumínio. “Cada uma dessas partes também contrataram pessoas, criaram empregos, pagaram salários, geraram renda e fizeram a roda girar, a roda da economia. Porque aí, as pessoas quando têm trabalho, quando têm renda, vão lá, compram lá no supermercado, lá na loja. E aí a roda continua girando. Por isso, não há hipótese do Minha Casa, Minha Vida não continuar. Nós iremos fazer, sim, o Minha Casa, Minha Vida 3”.

No Brasil, o programa já beneficiou mais de 9,2 milhões de pessoas, com a entrega de 2,3 milhões de moradias em todo o País. Já no estado do Rio de Janeiro, foram entregues 91.861 unidades, beneficiando 367 mil pessoas.

JORNALISTA RICARDO KOTSCHO EM SEU BLOG NO PORTAL R7 DIZ: "BOMBA CONTRA LULA ATIÇA VÂNDALOS DAS REDES SOCIAIS"



Jornalista Ricardo Kotscho, em seu blog no Portal R7, disse que "mais graves do que os estragos na porta da garagem causados pela bomba caseira lançada contra o Instituto Lula na noite de quinta-feira, foram as reações de alguns vândalos midiáticos nas redes sociais"; "Se nada for feito, amanhã poderá se repetir contra outros alvos nesta batalha insana que só faz se tornar mais perigosa a cada dia, desde a campanha eleitoral do ano passado", acrescentou.


Fonte: Jornal 247

O jornalista Ricardo Kotscho, em seu blog no Portal R7, disse que "mais graves do que os estragos na porta da garagem causados pela bomba caseira lançada contra o Instituto Lula na noite de quinta-feira, foram as reações de alguns vândalos midiáticos nas redes sociais".

"Assim que a notícia foi divulgada no dia seguinte, os blogueiros black blocs, empenhados em convocar a população para os protestos do dia 16 de agosto, desandaram a disparar novos ataques virtuais contra o ex-presidente Lula", afirmou.

Segundo Kotscho, "espera-se agora que os principais líderes da oposição também se manifestem contra o atentado". "Se nada for feito, amanhã poderá se repetir contra outros alvos nesta batalha insana que só faz se tornar mais perigosa a cada dia, desde a campanha eleitoral do ano passado", acrescentou.

O blogueiro também lembrou de um posicionamento de Paulo Nogueira, do Diario do Centro do Mundo: "O Brasil tem que adotar uma política de tolerância zero contra o ódio", disse Nogueira. "É o que devemos fazer antes que as bombas virtuais ou reais comecem a matar gente e assassinar reputações", escreveu Kotscho.

PT: ATAQUE A INSTITUTO PRESIDIDO POR LULA É 'AGRESSÃO À DEMOCRACIA'




O PT reagiu ao ataque à sede do Instituto Lula, que ocorreu na noite de quinta (30); um bomba foi jogada no local; diversos políticos petistas criticaram a ação; o presidente nacional do PT, Rui Falcão, repudiou o atentado; “Inaceitável essa escalada de ódio contra o PT. Consequência da criminalização proporcionada por alguns setores da sociedade”, afirmou; em nota, o diretório estadual do PT, presidido por Emidio de Souza, afirmou que esse ato e outros que ocorreram em São Paulo (ataques contra os diretórios do partido em Jundiaí e na capital paulista) "refletem a escalada da intolerância e do ódio que alguns setores da sociedade e da mídia têm amplificado nos últimos meses"; vice-presidente do partido, Alberto Cantalice, disse que ataque "demonstra o quanto é maléfica para a democracia o insidioso processo de demonização em curso" e cobrou punição dos responsáveis e elucidação dos fatos.


Fonte: Jornal 247

O PT reagiu ao ataque à sede do Instituto Lula, que ocorreu na noite de quinta-feira (30). Um bomba foi jogada no local (leia mais aqui). Diversos políticos petistas criticaram a ação.

O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, repudiou, em publicação no Twitter, o atentado. “Inaceitável essa escalada de ódio contra o PT. Consequência da criminalização proporcionada por alguns setores da sociedade”, afirmou. Para o dirigente, o ataque é fruto de setores que insistem em propagar o golpismo, o ódio e ideias conservadoras. Além disso, ele relembrou que, somente neste ano, dois diretórios regionais da legenda foram alvo de violência em São Paulo.

Em nota, o diretório estadual do PT, presidido por Emidio de Souza, afirmou que esse ato e outros que ocorreram em São Paulo (ataques contra os diretórios do partido em Jundiaí e na capital paulista) "refletem a escalada da intolerância e do ódio que alguns setores da sociedade e da mídia têm amplificado nos últimos meses".

"O ataque é uma agressão à nossa democracia", completou.

“Esse ataque de que foi vítima o Instituto Lula, demonstra o quanto é maléfica para a democracia o insidioso processo de demonização em curso. A punição dos responsáveis e a elucidação dos fatos urge!”, afirmou o vice-presidente nacional do PT e coordenador das redes sociais da legenda, Alberto Cantalice, pelo Twitter.

O secretário de Comunicação do PT, deputado José Américo Dias, também comentou o ataque. “Um ataque político, repleto de ódio. Felizmente ninguém se feriu”, disse.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, repudiou o ataque. Para ele, estes atos de “violência e intolerância” são inaceitáveis.

“O ataque ao Instituto Lula é uma agressão à nossa democracia. O Brasil tem um histórico de diálogo pacífico e rejeição a atos violentos, que esperamos que continue e seja ampliado. Minha solidariedade ao ex-presidente Lula e toda sua equipe de trabalho”, disse Rossetto.

O ex-ministro da Saúde e secretário Municipal de Relações Governamentais da prefeitura de São Paulo, Alexandre Padilha, comentou a “escalada de ódio e intolerância”, estimulada por parte da mídia brasileira.

“O atentado ao Instituto Lula nesta madrugada, a sede do PT no Centro meses atrás e as celebridades da intolerância que desfilam pelas redes são expressões do mesmo fenômeno: a escalada de ódio e intolerância estimulada pela maneira como parte da mídia a repercute e com a passividade de forças de segurança e da Justiça”, disse Padilha, em publicação no Facebook.

Para o Secretário Nacional de Juventude do PT, Jefferson Lima, a democracia verdadeira do país foi atacada e sem a reação devida das instituições.

“Homossexuais são linchados, os negros ‘justiçados’, se faz apologia à morte de nordestinos e não há qualquer pudor. O cúmulo destes ataques à democracia foi o atentado à sede do Instituto Lula”, afirmou Jefferson.

Segundo ele, o ataque foi realizado “pelos fascistas que desejam a entrega do país a interesses estrangeiros, um pensamento único no país, um governo para os ricos exercido por poderes não-eletivos, racismo, machismo, homofobia e fundamentalismo religioso como doutrinas oficiais”.

Jefferson afirmou que todas as democracias do mundo respeitam seus ex-presidentes independente de ideologias ou partidos. “Ainda mais se for o maior líder popular da história e responsável por libertar milhões da pobreza e da fome e dar a estes oportunidades e direitos inéditos, saudado por todo o mundo, da esquerda até conservadores menos radicais”, completou.

“A Juventude do PT repudia este atentado, repudia a subversão da democracia e conclama os jovens do Brasil, não importando se aprovam ou não o governo da presidenta Dilma neste momento, petistas ou não, mas que não abrem mão da democracia a se insurgir definitivamente contra este fascismo e dar um basta no Brasil obscuro e servil que este setor quer impor à sociedade”, finaliza o secretário Nacional de Juventude do PT.

ATENTADO A BOMBA CONTRA INSTITUIÇÃO PRESIDIDA PELO EX-PRESIDENTE LULA DA SILVA ACENDE ALERTA VERMELHO



  
O que tem movimentado as redes sociais nos últimos dias, foi a bomba jogada contra instituição liderada pelo ex-presidente da República Inácio Lula da Silva, na noite de quinta-feira, revelando o perigos que rondam o cenário político.


Fonte: Jornal 247.

Tudo leva a crer que o ato terrorista teve origem em alguma franja da direita, animada pelo clima de ódio antipetista diuturnamente alimentado pelos principais meios de comunicação e líderes da oposição.

A escalada é notável, transitando das agressões verbais nas redes sociais para o terreno do enfrentamento físico.

O primeiro sinal veio com a coação de ex-ministros em restaurantes paulistanos, além de ataques irregulares contra sedes do PT.

No início da semana, o presidente fluminense do partido e prefeito de Maricá, Washington Quaquá, tomou um empurrão que o jogou ao chão enquanto dava entrevista a alguns jornalistas.

Sentindo-se à vontade, de mãos livres para fazerem o que bem entendem, extremistas do conservadorismo agora aumentam a altura do sarrafo e miram na principal liderança da esquerda brasileira.

Seria irresponsabilidade afirmar que o atentado contra o Instituto Lula, cujos objetivos parecem ser intimidação e propaganda, representa prova de que a oposição de direita esteja saindo da institucionalidade para a violência.

Mas é cristalino que o discurso do reacionarismo, estimulando clima de caça às bruxas contra o petismo, identificando-o como campo político a ser aniquilado por todos os meios, está na origem da atual onda de truculência.

Basta ver a audácia dos que resolveram escolher Lula como alvo de suas intentonas. Não se trata mais de situações casuais e fortuitas, mas de operação planejada e armada, o que indica proliferação e recrudescimento de grupos dispostos ao terror.

Também chama atenção a reação frágil e intimidada do governo federal a respeito de fato tão relevante.

Ataque desta natureza contra um ex-presidente da República, ainda mais da estatura de Lula, sem o qual jamais a atual administração teria sido eleita e reeleita, exigiria resposta de alta intensidade, através de todos os canais possíveis.

Para começo de conversa, as investigações deveriam ser imediatamente federalizadas e caberia, à chefe de Estado, chamar rede nacional de rádio e televisão, com o intuito de proclamar claramente o repúdio ao ódio fascista e a determinação de empenhar todos os esforços para impedir sua difusão na sociedade.

A claudicante contraposição petista ao atentado da rua Pouso Alegre, no mais, revela as sequelas de uma estratégia conciliatória que foi incapaz de preparar o governo, os partidos de esquerda e os movimentos sociais para uma etapa como a atual, de radicalização do confronto entre projetos de nação.

Ao deixar intacto o monopólio da mídia, o petismo cevou seus piores inimigos, que agem como máquinas de animação e mobilização das entranhas mais apodrecidas do país, na busca de onda restauradora que possa colocar enterrar, a qualquer preço, o processo de mudanças iniciado com a eleição de Lula em 2002.

Mantendo ares de normalidade, o governo e o PT banalizam a gravidade dos acontecimentos, desorganizam sua própria militância e abrem alas para o conservadorismo seguir em seu movimento ascensional, que já combina hegemonia institucional com disputa das ruas e, agora, o recurso à violência.

A história, aliás, está repleta de exemplos sobre o que se passa quando as forças progressistas e democráticas comportam-se como avestruzes.

Ofensivas reacionárias, afinal, não costumam ser detidas com bom-mocismo, falta de audácia e encolhimento.